Pobres hoje? Certamente. Pobres amanhã? Definitivamente.

 
Esta noticia revela bem porque uns são pobres e outros ricos; porque uns têm problemas constantes com as contas públicas (privadas também) e outros não; porque é que uns sofrem de problemas de competitividade e outros não; porque uns se aguentam no meio de uma crise e outros não.

Leia-se:

"Em situação comparável a Portugal, mas mesmo assim a alguma distância, encontra-se Malta, onde 52% dos indivíduos que arranjaram trabalho em Junho eram pouco qualificados, Espanha (50%), Itália (43%) e Grécia (37%)."

Agora proponho que o leitor faça um esforço por encontrar o padrão nestes países. Até que nem é difícil pois podem-se fazer vários vários.

Juntamente com esta notícia vem esta também. Estes senhores, juntamente com os amigos e padrinhos de S. Bento, são os responsáveis pelo atraso do país e, consequentemente, pela notícia anterior.

Li num comentário da notícia alguém a dizer que estes senhores não pensam. Dizia então o cavalheiro que estes senhores não conseguem perceber que pagando salários mais baixos há menos dinheiro a circular. Havendo menos dinheiro a circular, eles vendem menos, logo ganham menos também.

Eu, lamentavelmente, vou ter que discordar. Eles pensam e pensam muito bem. O problema é que pensam para o bolso deles e não para as empresas deles (muito menos para os empregados). Em Portugal, as empresas de "sucesso", na sua maioria está claro, são empresas que vivem do e para o Estado. São empresas apadrinhadas por amigos ou subsídios ou as duas para funcionarem. Sem isso rapidamente iam à falência pois não conseguiriam competir.

Repare-se que Portugal sofre de uma condição singular na Europa. Temos empresas que não conseguem competir lá fora se não forem ajudadas pela mão de alguém e mesmo assim é o que é. Temos empresas a falirem, a darem prejuízo ano após ano e sempre a mendigarem por uma ajudinha do amigo Estado.

Por outro lado, os senhores daquela dita associação, os gestores e afins são os mais bem pagos da Europa, segundo se sabe. E como eles gostam do dinheiro direitinho no final do mês, nem que para isso seja preciso deitar ao charco a empresa. Agora reparem o que pedem para os empregados: mais trabalho, mais eficiência e, sobretudo, salários mais baixos. Isto é, o contrário do que fazem para eles próprios. Imagino que, se eles ganhassem pela sua eficiência enquanto gestores e patrões, nem o salário mínimo mereceriam em alguns casos.

Perante este cenário, os políticos, Universidades e seus dirigentes e mesmo a comunicação social através dos comentadores económicos, continuam a vender a ideia que Portugal tem licenciados a menos. Só demagogos, gente com segundas intenções ou líricos é que podem sustentar esta afirmação. Devido à sua [pobre] estrutura económica, Portugal já tem licenciados a mais na maior parte das áreas disciplinares. Naquelas que não tem a mais, Medicina por exemplo, existem pressões para que a situação assim se mantenha a bem dos rendimentos da classe. Conclusão, anda-se a vender falsas (para não dizer erradas) expectativas às pessoas, por razões eleitorais, de imagem ou meramente para as estatísticas. 

Portugal não tem licenciados a menos. Portugal não tem problemas de competitividade. O que Portugal tem problemas de gestão endémicos, ou seja, tem falta de bons gestores, bons dirigentes, de gente que saiba ver para si e para os outros.  Portugal precisa de gente que saiba ver a 10-20 anos. Portugal tem que se ver livre dos instalados, dos maus dirigentes, dos seus maus mestres das faculdades e, principalmente, dos padrinhos e enteados.

As duas notícias que referi e o raciocínio que fiz de seguida, são algumas das verdadeiras razões pela qual o país é pobre, atrasado e o continuará a ser.

7 comments:

Anabela Magalhães said...

Subscrevo, Elenáro! Na mouche!

Manuel said...

Caro Elenáro, tens uma visão correcta do problema estrutural do qual padecemos à muito tempo, tempo demais até.

Miguel Loureiro said...

Bom Natal Elenáro

Anabela Magalhães said...

Votos de Feliz Natal, Elenáro!
beijinhos

Miguel Loureiro said...

Bom Ano!

Anabela Magalhães said...

Com atraso, desejo-te bom ano de 2011, Elenáro.
Bjs

Em@ said...

100% de acordo.
_________
aproveito e desejo-te o melhor para 2011.
beijo, Migo.