Moralismos (?) Católicos na sanita...

Ora bem como tinha dito há uns dias atrás noutro post, iria passar aqui para deixar umas certas quantidades de dejectos humanos liquidificados e de aspecto acastanhado literários que me passaram pela cabeça (sim porque se o Papa, políticos, jornalistas, comentadores etc etc de renome podem vir para as televisões dizerem os absurdos que dizem, então eu também posso fazer o mesmo no meu blogue).

Partindo mais uma vez do vídeo que deixei duma palestra de John Corvino, começo pela parte dos dualismos que lá são referidos, mais especificamente às partes da bíblia e textos afins. Ora bem, Igreja Católica fala muito da bíblia (que já agora não é bem um livro mas uma compilação de textos os quais são foram escritos por homens que se basearam no que Cristo disse, ou mesmo outros meros homens, e a qual é diferente em cada religião - Judaica, Cristã Católica, Cristã Protestante, etc - e tem vindo a ser alterada de tradução para tradução) para justificar as suas acções e as suas assumpções sobre a vida e a sua moralidade.

Bem, com a breve explicação do que é realmente a bíblia talvez se deva logo começar por questionar se aquilo é mesmo para se levar a sério, se não seria melhor as pessoas verem aquele compêndio como uma enciclopédia para se ir buscar ideias gerais (amor pelo próximo, respeito pela vida Humana - algo que a Igreja Católica tende a esquecer frequentemente - etc etc...) e não regras a seguir estritamente.

Para além disto, e mesmo admitindo a bíblia como material para algo mais que enfeitar uma prateleira ou um mero livro histórico, pode-se analisar o seguinte: a Igreja fala em respeito pela vida Humana, amor pelo próximo, saber perdoar etc etc. Bem, então antes de vir tentar pregar esses valores a uma sociedade que para a Igreja está podre, talvez fosse bom ela começar primeiro por seguir esses preceitos. Senão vejamos, a Igreja prega o respeito pela vida Humana mas, ao longo da sua história, perseguiu Judeus, fomentou a escravatura e o racismo perante os nativos americanos e africanos, foi responsável pela Inquisição... Hoje não fomenta a escravatura e o racismo, mas ataca homossexuais, defensores do aborto, continua a por de parte divorciados e, sobretudo, ataca todos os críticos das suas políticas e moralismos. Contra uns defende a pena de morte, contra outros acusa-os de serem imorais (ou então as duas ao mesmo tempo) e renega-os.

Uma outra coisa interessante com dualismos da Igreja Católica revela-se na atitude contra a pedofilia. A Igreja, de facto, condena verbalmente o abuso sexual de menores mas, quando se viu perante o escândalo dos bispos e mais outros sacerdotes Católicos nos EUA, a única coisa que ela lhes faz é (maravilhem-se) perdoa-los!

E o post já vai longo e como tal deixo o resto para outro futuro post. Por agora, concluo dizendo que se calhar a Igreja Católica devia de tratar primeiro da sua casa e depois tratar da casa dos outros e dizer a outros que valores é que devem ou não seguir e sobretudo devia pensar duas vezes antes de usar um livro (que de divino tem pouco) como carta para as suas [i]moralidades. Tal como ela mesma professa, o amor pelo próximo devia começar primeiro pela Igreja.

3 comments:

Anonymous said...

erm n te eskeças do caso em que a miuda de 9 anos foi violada pelo pai/padrasto ja n me lembro abortou e a mae e medicos foram excumungados e o pai/padrasto nem 1 puxao de orelhas levou

Elenáro said...

Não foi esquecimento... foi não estar ao corrente da situação... Vou pesquisar e depois se for caso disso faço uma adenda ao post.

Obrigado pela informação!

Pedrosense said...

Para a igreja reconhecer os próprios erros é impensável porque assim teriam que reconhecer as suas fraquezas e descer do seu pedestal... o que esquecem é que estes senhores são feitos da mesma matéria que nós "pecadores" e tem cometem os mesmos erros só que numa escala maior porque a influencia da instituição que os representa assim o permite. Posso afirmar que a igreja é composta por um pouco de tudo... Há pessoas correctas, há homossexuais (tudo no armário), pedófilos, arrogantes, não tão arrogantes, há os silenciados e os que não se calam. Agora cabe a cada um de nós fazer a escolha de ser ou um cão bem mandado e seguir tudo o que os santissimos padres bispos ou papas fazem "perdoando-lhes" ou então ser um devoto ateu e demonstrar a indiferença por tal decadente instituição.