Aviso à navegação de Miguel Vale de Almeida

No seu blogue, Os Tempos Que Correm, Miguel Vale de Almeida defende que a igualdade no casamento deverá ser posta em prática o mais rapidamente possível devido à questão da potencial fragilidade do governo após as presidenciais de 2011.

Defende ele que "Temos uma maioria no Parlamento que pode garantir isso". Pois bem, já havia uma maioria no anterior governo. Pior, havia mais que uma maioria absoluta. O Partido Socialista, sozinho, sem apoio de ninguém, conseguiria ter aprovado tal medida. E o que se passou? O Bloco de Esquerda apresenta uma proposta nesse sentido e o PS o que faz? Rejeita-a!

Miguel Vale de Almeida, eleito agora pelo PS, diz que tal será possível. Sinceramente, alguém acredita que o PS fará agora, sem maioria absoluta o que não fez quando a tinha? Pior, então o senhor Sócrates e respectivo Partido Socialista vota contra uma lei do Bloco de Esquerda, a qual fazia parte do seu programa (se não estou em erro), dizendo que "não é altura para isso" e agora, curiosamente, já passou a ser?

Mais, apresenta agora ele próprio uma lei nesse sentido? Mas andamos aqui a brincar com a cara das pessoas ou simplesmente estamos todos num lamentável estado vegetativo que nos impede de raciocinar? Pior ainda, Miguel Vale de Almeida, e muitos outros activistas ainda têm a lata de se porem ao lado de quem lhes disse que os seus direitos, ansiedades e expectativas não eram politicamente oportunas?

É a dança das cadeiras no seu melhor. Esperarei sentado, pois em pé tenho a certeza que me cansarei rapidamente, para ver os resultados de tal dança. Só espero é que não contem comigo para fazer claque. É que desta vez não o farei. Guardo a minha honra.

Haja decência.

O post de Miguel Vale de Almeida pode ser acedido no seu blogue aqui.

2 comments:

Pois é... said...

Sou homossexual mas não concordo com esta lei. Se somos diferentes também temos que fazer coisas diferentes. Não entendo esta coisa de homossexuais quererem ser iguais aos heterossexuais. Onde está o direito e a oportunidade de ser diferente?

Elenáro said...

Por acaso também sou da mesma opinião Pois é...

Acho que se devia guardar o casamento para as relações heterossexuais. Digo mais: o casamento devia ser apenas religioso.

Para os homossexuais e heterossexuais que não tenham ou não sigam uma crença particular ou que apenas prefiram não ter uma união religiosa, deveria de haver um enquadramento legal para o estado e unicamente para ele, que desse os mesmos direitos e deveres que o casamento religioso mas sem toda a carga simbólica que a ele está associada.

Bem haja Pois é...!

Um abraço!