Reflexões Natalícias



Estando nós nesta altura tão festiva, decidi fazer alguns devaneios sobre o assunto.

Sendo o Natal uma festividade Cristã (que já agora originalmente pouco tem de relacionado com ela), então não deveria antes ser algo mais recatado? Vejamos, no Natal esbanja-se dinheiro, come-se como se não houvesse amanhã sem necessidade... Bem sem ir mais longe aí vão dois pecados capitais. A saber, a Luxúria e a Gula.

Voltando um pouco atrás, o que houve afinal no Natal para que a Cristandade o celebre? Nada talvez se aproxime mais. Numa altura em que os valores católico-cristãos estão tão em voga, é no mínimo hipócrita a principal Igreja Cristã, a Igreja Católica, não falar nos atentados aos valores Cristãos e às heresias que esta época encerra. Isto de tomar festivais pagãos (celebração do solstício de Inverno) como Cristãos tem que se lhe diga. É mais um caso da hipocrisia e da demagogia em que caiu a Igreja Católica e a Cristandade em geral.

Nascimento de Cristo, diz a IC... Bem, excluindo o facto de que não há provas da data exacta do nascimento de Cristo, sabe-se que neste dia não terá sido. Pensa-se, porque isto de escrever coisas 200 anos ou mais depois das pessoas morrerem também dá que pensar, especialmente numa época em que a escrita era uma raridade e toda a gente sabe o que acontece com as histórias orais... Cada boca acrescenta um ponto...

Por isso, valerá a pena pensar o que se anda de facto a festejar e se valerá a pena andarmos mesmo a gastar os rios de dinheiro e a nos enfartarmos de comida por coisa nenhuma. União, caridade, solidariedade, etc e tal e coisa... Pois sim... E tal praticá-la durante o resto do ano não? Acreditam mesmo que um dia disso, cobre o restante tempo do ano em que todos passam o tempo a pisarem-se uns aos outros?

Desculpem mas para mim é patético...

1 comment:

Lelé Batita said...

Completamente de acordo.
Não ao consumismo exacerbado!