"Namárië" - J.R.R. Tolkien


O poema Namárië primeiro recitado pelo seu criador, J.R.R. Tolkien, e depois cantado. Acima pode-se ver o poema escrito em Tengwar.

Namárië é um poema integrante da mitologia d'O Senhor dos Anéis e encontra-se escrito na língua Quenya. Esta língua, tal como todo o universo da mitologia da Terra Média, foi inteiramente criada de raiz por Tolkien, possuindo gramática e léxico próprios. É fantástica a capacidade dum homem criar tanta coisa. Línguas (Quenya, Sindarin e outras menos desenvolvidas), povos com histórias milenares e uma mitologia inteira sendo que foi tudo organizado por forma a dar obras literárias de imensa qualidade como O Silmarillion, O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Deixo então os vídeos.




Ai! laurië lantar lassi súrinen,
Ah! like gold fall the leaves in the wind,
yéni únótimë ve rámar aldaron!
long years numberless as the wings of trees!
Yéni ve lintë yuldar avánier
The long years have passed like swift draughts
mi oromardi lissë-miruvóreva
of the sweet mead in lofty halls
Andúnë pella, Vardo tellumar
beyond the West, beneath the blue vaults of Varda
nu luini yassen tintilar i eleni
wherein the stars tremble
ómaryo airetári-lírinen.
in the song of her voice, holy and queenly.

Sí man i yulma nin enquantuva?
Who now shall refill the cup for me?

An sí Tintallë Varda Oiolossëo
For now the Kindler, Varda, the Queen of the stars,
ve fanyar máryat Elentári ortanë
from Mount Everwhite has uplifted her hands like clouds
ar ilyë tier undulávë lumbulë
and all paths are drowned deep in shadow;
ar sindanóriello caita mornië
and out of a grey country darkness lies
i falmalinnar imbë met,
on the foaming waves between us,
ar hísië untúpa Calaciryo míri oialë.
and mist covers the jewels of Calacirya for ever.
Sí vanwa ná, Rómello vanwa, Valimar!
Now lost, lost to those of the East is Valimar!
Namárië! Nai hiruvalyë Valimar!
Farewell! Maybe thou shalt find Valimar!
Nai elyë hiruva! Namárië!
Maybe even thou shalt find it! Farewell!

5 comments:

Lelé Batita said...

Muito curiosa esta incursão no universo de Tolkien, sempre surpreendente. Os seus recursos linguísticos parecem inesgotáveis!
Runas célticas?! Línguas inventadas?!
Que prufusão a deste espírito inventivo, talvez o mais criativo em toda a história da Literatura.

Parabéns ao autor desta colaboração (gostaria de saber quem é) e obrigada ao Elenaro.

Abraços.

Lelé Batita said...

Acho que me confundi com o post seguinte. Este é mesmo teu, não é Elenaro?

Desculpa, deve ser da febre!

Beijo.

Lelé Batita said...

Claro, basta seguir o link para o teu canal no You Tube e fica-se logo a perceber que és fã do Tolkien e da sua estética. Gostei!

Elenáro said...

Sim Lelé. Este post é meu. ;) Mas não tem problema. De facto o nome de quem publica não está muito visível com este template. :(

E sim sou fã de toda a mitologia de Tolkien. Aliás, o próprio nick que uso vem duma das línguas (Quenya) criada por ele.

As melhoras Lelé! Toca a expurgar esses malfadados bichos.

Vitor Manuel said...

Tb quero um mundo paralelo :( mas onde falem português que se entenda... lol
ah! finalmente aderiste à web2.0 !