A direita da esquerda

fonte: El Fisgón "Como sobrevivir al neoliberalismo sin dejar de ser Mexicano" Grijalbo Press
retirado daqui

O neoliberalismo que começou com Reagan e Tatcher e mais recentemente por George W. Bush e seus amigos por todo o mundo que atrás dele foram, levaram o mundo à pior crise que havia memória desde 1929. Todos se maravilharam com o fim de todas as "incovenientes" regras de conduta e legalismos para regular os mercados. Era a era de ouro em que todos podiam comprar, vender e/ou negociar sem barreiras e tiques de esquerda. 

Bem, estamos todos a ver o que esta linda e magnifica direita neoliberal nos levou. Isto para não falar nas guerras que envolveu o mundo "ocidental" e que ainda hoje custam vidas humanas e rios de dinheiro a quem lá está e que não levam a lado nenhum.

Mas o mais giro disto tudo é que estes que nos levaram a esta situação económico-social ainda têm a distinta lata de se apregoarem como salvadores do mundo. Atiram a culpa para todos os lados sem perceberem [?] que eles foram o problema. Quando se é um problema não se pode ser solução, especialmente se a solução que propõem é a mesma receita de sempre. 

Em 1929 a única maneira de salvar as coisas foi com políticas sociais e de investimento público e mesmo assim as coisas só melhoraram com a infelicidade de uma Guerra Mundial que obrigou a gastos enormes por parte dos estados quer com o rearmamento quer com o recrutamento que levou à baixa do desemprego. 
Hoje, paradoxalmente, tenta-se salvar o doente dando-lhe mais daquilo que o pôs doente. Talvez fosse bom alguns fazerem um bocadinho de soulsearching e colocarem a mão na sua consciência, isto se ainda a têm. 

Sugiro a leitura disto.

2 comments:

Miguel Loureiro said...

Elenáro
Tiveste sorte em apanhar o cartoon que traduz linearmente a face deste capitalismo viscoso.
Parabéns por teres entrado na desmontagem do Neoliberalismo, porque a fonte de tudo está só aí, na educação, nos direitos individuais e colectivos, na cidadania e no fim da exploração do homem pelo homem!

Elenáro said...

Olá Miguel.

Eu sempre fui um opositor do neoliberalismo que por ai anda. Simplesmente acho que se chegou a um ponto tal de cegueira que a paciência esgota-se.