Famílias cortam no 'super' e farmácia, não em telemóveis - Bolsa - DN

Famílias cortam no 'super' e farmácia, não em telemóveis - Bolsa - DN

Com um povo assim espera-se o quê dos políticos? Que cortem nos seus salários? Ainda outro dia me contavam uma história surreal. Uma senhora que dizia que não tinha dinheiro para comprar comida para os filhos mas, pasmem-se (ou então não), adivinhem agora onde estava ela a dizer isto à pessoa que, depois, me relatou o sucedido... No msn. Moral da história, não há dinheiro para comprar comida mas houve para pagar a internet.

Se me conseguirem explicar a lógica desta coisa...

Já agora expliquem-me outra coisa. Como raio andamos nós a pagar as favas e os desvarios das agência de ratings quando somos um dos países da OCDE cuja economia mais cresceu nos últimos trimestres?

1 comment:

Vitor said...

Quando trabalhava nas penhoras a única coisa que pediam que não fosse levada era a televisão. Podia ir o fogão, a cama, a roupa, até o que não é legalmente possível penhorar, desde que a televisão não fosse levada.

Com o tempo percebi que o que custa mais não é a fome, É A SOLIDÃO.

Tu conheces-me bem, ou pelo menos tens essa obrigação, e sabes bem que nem todos têm um grupo, um núcleo duro, de amigos, perdão mas é Amigos, como eu tenho e do qual fazes parte.

Sabes bem que o desenvolvimento da comunicação permite mais conversas entre as pessoas, mas nunca as afastou tanto fisicamente. E é o estar com as pessoas que nos são importantes o ouro mais precioso que um ser humano pode ter.

E porque é que com o desenvolvimento da comunicação as pessoas se afastaram umas das outras? É simples, torna-se mais cómodo a ilusão e as aparências.