A piada do dia vinda da OCDE

Imagem retirada daqui

OCDE alerta para alunos repetentes no País - Portugal - DN

"Organização avisa que Portugal tem de reduzir taxa de retenção e que o programa Novas Oportunidades deve ser actualizado."

Ou seja, quanto mais estúpidos melhores? O que interessa é o papelinho para os alunos e as estatísticas para o governo e OCDE? E eu aqui a pensar que a loucura era particularmente problemática em Portugal. Parece que me enganei.Será que este senhor está de acordo que se ponham mais alunos que, incapazes de terminarem a escola, desistem e se inscrevem em CNO para depois fazerem um exame de inglês (que são também eles uma autêntica palhaçada), tirarem 20 e entrarem no Ensino Superior como os melhores alunos do país?

Será sequer que estes senhores quereriam gente das NO a trabalhar para eles em cargos de topo? Eu sei que há algumas pessoas que vão para as NO para melhorarem a sua escolaridade e que até o conseguem mas, sejamos honestos, a maioria vai para lá para ganhar o deles ao fim do mês. Aprender não está nos planos.

Isto está bonito, está. E diminuir as retenções? Mas estão loucos? Se se devia fazer alguma coisa era aumentá-las. Aliás, outro dia dava por a pensar nas grandes diferenças no ensino há 30 anos atrás e hoje. Não havia mais gente alfabetizada dantes do que agora. O problema é que dantes só era alfabetizado quem merecia enquanto que hoje temos analfabetos certificados.

2 comments:

Miguel Loureiro said...

Elenáro
Ainda hoje li, mas já não encontro, a notícia de que Portugal era o país em que as famílias gastavam mais dinheiro na Educação dos seus filhos.

Para ajudar à missa e passados 40 dias do início do ano lectivo, sem os professores todos colocados, nem os "Agentes Operacionais" (ora toma, vulgo Auxiliares de Educação) suficientes, vem a ME dizer:
Ministra da Educação diz que ministério está atento e a tomar medidas sobre falta de funcionários:
http://www.google.com/hostednews/epa/article/ALeqM5g02rntvarCfkfiTDjWKu_nQoYnpQ?docId=11572140

Abraço

Elenáro said...

Pois Miguel, de facto o problema não é o quanto se gasta. As famílias gastam muito e o proveito é pouco. Pior ainda, gastam dinheiro nas coisas que não deviam, por exemplo, nos péssimos manuais escolares.

O país está todo às avessas.