D'O Jumento e do jornal "i"

Soube hoje pela Em@ que o jornal "i" tinha desvendado o mistério do século: a identidade do autor do blogue O Jumento. Leiam a notícia no blogue da anteriormente referido e devidamente linkado para se contextualizarem. Sugiro também uma visita ao blogue d'O Jumento para ver o que ele lá tem dito sobre o assunto.

Toda esta situação leva-me a uma (re)reflexão crítica sobre o que por este país se passa e se passou nos últimos tempos. De resto mais uma sobre as outras que já aqui tinha feito anteriormente. 
O que é que eu concluo com isto. Até aqui, já tínhamos visto casos de jornalistas a quererem ser informadores e comentadores das suas próprias noticias. Passam assim, da função que lhes compete, informar, para outra que é da competência dos comentadores e dos governantes. Outra coisa que já se tinha visto também é a constante confusão na imprensa portuguesa entre informar e difamar. Frequentemente a segunda sobrepõe-se à primeira. 

Com isto tínhamos jornalistas que, sobrevalorizando o seu papel nas sociedades modernas (em particular na Portuguesa), pretendiam serem eles os baluartes da justiça em Portugal. Manipulando a informação de modo a criar opiniões, quereriam ser eles a decidir quem ganha ou perde eleições. Não o tendo conseguido passou-se para o patamar seguinte que se traduziu em ataques às pessoas e não às suas politicas e acções governativas. Para isto brandiram aos céus que havia uma perseguição contra eles e um atentado à liberdade de imprensa. 

Agora, depois te termos tido, então, jornalistas a quererem ser eles a elegerem governos ou mesmo ditar quem tem direito ou não de o fazer, esquecendo por completo a vontade dos Portugueses nas urnas, temos jornalistas a quererem fazer "justiça". Pior, querem fazê-lo usando da chamada "justiça popular" que de justiça pouco tem pois assenta em manipulações das massas. 

Penso que esta noticia do "i" foi a estocada final e um grande tiro no pé da imprensa em Portugal. Imprensa essa que tem vivido de mexericos e pouco de jornalismo. Com este fantástico artigo em que, segundo creio, para além de ser um exemplo do mau jornalismo ainda entra na orla da violação da privacidade. Espero que a instâncias judiciais e policiais deste país façam agora uma séria investigação a como é que este jornalista conseguiu obter a identidade do bloguista em causa quando eles próprios não conseguiram nem com a ajuda da interpol. 
O jornal "i", na sua tentativa de continuar com o sensacionalismo e, digo mesmo, palhaçada da imprensa dos últimos tempos acabou por se acusar a ele próprio. Falam de fuga de informação mas eles próprios vivem delas. Atacam o seu próprio meio de sustendo. Ficam agora avisados todos que ao entrarem neste jogo de "fugas de informação" arriscam-se eles a serem um dia noticia. 

Faço ainda uma última comparação. Antes do 25 de Abril, a PIDE vivia dos chamados "bufos". Isto foi algo fortemente criticado pela população em geral e pela imprensa também. Contudo, vê-se que hoje se pretendem criar "bufos". A razão, sabendo que os portugueses sobrevivem e adoram meter-se na vida alheia, fomentam a coscuvilhice na ânsia de ganhar uns trocos vendendo mais uns jornais.

Mas ainda bem que isto aconteceu. Agora podemos dizer, claramente, que em Portugal não há nenhum ataque à liberdade de imprensa/expressão nem tão pouco falta dela. Pelo contrário, podemos dizer que em Portugal hoje assiste-se a liberdade de imprensa/expressão a mais. Pior, a mais só para alguns que se julgam ser os senhores da mesma.

Em todo o caso, deixo a seguinte nota: com esta notícia O Jumento obtém publicidade gratuita.

5 comments:

Em@ said...

Elenáro:
Eu limitei-me a postar uma notícia que me chamou a atenção por vários motivos.Optei por não tecer considerandos porque cada um que tire as suas próprias ilações.
De uma coisa tenho a certeza, nós, como tu já tens referido mais do que uma vez, temos que ter cuidado. Mas foi, principalmte, por isso que eu postei esta notícia- pelo cuidado que devemos ter.
Acabas o teu post com a questão da publicidade ganha pelo blog "O jumento". Parto do princípio que somos todos responsáveis pelos actos que praticamos.Será que era isso o pretendido tanto por um lado como por outro?! Há por aqui guerras privadas, pelo que me parece.
E eu, sinceramente, estou mais do que farta disso.

Martins said...

Caro Elenáro

Vou começar a visitar mais o teu espaço na esperança de não ser censurado como no do Ramiro.

Não tenho é fotocópias para distribuir nem ganho para fazer T.shirts.

Um abraço

Elenáro said...

Não Em@... não são guerras privadas... são bem públicas. São uma tentativa de se chegar ao poder. Sabes que há uns fuinhas na política que ou querem por os mestres no poder sendo eles a boca ou simplesmente querem o poleiro...

Bem diz Passos Coelho que, se é para provocar crise, que se provoque duma vez e quanto antes.

O problema é que os fuinhas que falei não são homenzinhos para deitarem o governo abaixo. Sabem bem que depois na campanha Sócrates os trucidava a todos.

É que não sei se já reparaste de que ala da sociedade portuguesa é que estes ataques provêm... É muito curioso que os "visados acusadores de falta de expressão" são todos aqueles que estão dum certo lado da esfera politica... Mais não digo se não ainda sou acusado disto e daquilo.

Martins, neste blogue muito pouca coisa é censurada. Aliás, não fosse o caso de umas certas pessoas (curiosamente da mesma ala anteriormente referida) que aqui vieram fazer circo como agora se faz na TV e demais imprensa, e nem a moderação de comentários estaria activa.

Infelizmente eu para circo só o Cirque du Soleil... E para palhaçadas prefiro a britcom.

Cumprimentos.

Vitor Manuel said...

ao fim de mais uns milénios é a fórmula de sempre, e faz sucesso, "pão e circo ao povo"

Elenáro said...

O pior é que o "povo" come... Come e ainda diz que gosta!