Educação Sexual - Parte 2 - Ainda o pudor

Este post é um excerto de uma resposta a uma leitora, a Deolinda, a quem, desde já, agradeço a participação. Disse a Deolinda que não estamos preparados para a educação sexual baseando-se numa caricatura da "guerra dos sexos" minha publicada no ProfAvaliação.

Fica então aqui a minha reflexão. Sintam-se à vontade de discordar.

Tomando como verdadeira a premissa que não estamos preparados para tratar o tema da educação sexual (da qual eu desde já me excluo pois sinto-me preparado dentro dos conhecimentos que tenho), então nunca iremos estar se continuarmos a dizer que não estamos e nada se fizer.

Se não estamos há que passar a estar. Formações e quebra de preconceitos são os caminhos. Formação para quem quer falar e não sabe como e quebra de preconceitos para quem teima em puritanismos que nem os próprios vivem.

Parece-me que estamos a copiar ali os EUA. Não se pode falar de sexo às crianças e tudo que mostre um simples seio de uma mulher em horário nobre na TV é censurado. Contudo, os EUA são o maior produtor e consumidor de pornografia do mundo. É o puritanismo à Americana.

Agora temos o puritanismo à Portuguesa. Somos estúpidos, incultos e, sobretudo, muito pudicos, mas só para a vista dos outros.

Casos de pedofilia e violações dentro das próprias famílias chovem todos os dias se for preciso. Casos de infidelidade é algo a que todos já nos habituamos ao ponto de fazermos chacota de uma situação séria. Homossexualidade, somos todos muito tolerantes enquanto o problema for dos outros. Adolescentes grávidas, lamentamos, coitadinhas não tinham juízo e foram levadas pelos perversos dos rapazes.

Somos muito pudicos mesmo, mas somos o país (ou um dos) com mais casos de infecções pelo vírus da sida da UE (segundo sei). Claro exemplo do quanto nós valorizamos o sexo "indoor".

Vamos é deixar estes falsos puritanismos, ou puritanismos para inglês ver e passar à acção através da prevenção. E como é que se previne? Educando.

Começo a achar que, de facto, não são as crianças a precisar de educação sexual. Quem precisa dela são os adultos.

16 comments:

Deolinda said...

Jovem Elenáro:
1)Tu nunca estarás preparado porque já me disseste que não és professor do básico/secundário, pois não gostas, nem tens paciência para ensinar crianças e/ou adolescentes.
2)Tu não estás preparado porque fazes passar uma imagem de menino de coro, que agrada a muito boa gente, mas, a despropósito, contas uma anedota, machista e de cariz sexista.
Não sou moralista, nem falsa moralista, mas detesto esse tipo de postura.
3)Eu disse-te, no Profavaliação, que o Estado deve começar por dar educação sexual aos pais, servindo-se dos canais televisivos que detém.
Não é preciso exemplificar que tipo de assuntos poderiam aí ser tratados e que iriam facilitar o trabalho na escola, pois não?
Não vais negar que temos, pela frente, um povo algo embrutecido, pouco informado e impreparado para ouvir os filhos falarem dos assuntos relativos à sexualidade, que lhes foram transmitidos pelos professores?
4)Os professores não são generalistas (ainda)e, no seu contrato, não consta essa função...
(esta é uma boca...)
5)Eu considero-me, minimamente, apta a tratar do assunto porque já frequentei várias acções de formação e, no meu local de emprego, desde há dois anos que faço parte do "Gabinete para a saúde" e tenciono lá continuar.
Não vou continuar a "discursar" porque está na minha hora de descanso.
Bons sonhos

Ramiro Marques said...

Elenáro
Concordo com a Deolinda.
Mas respeito o teu ponto de vista.

Elenáro said...

1)Tu nunca estarás preparado porque já me disseste que não és professor do básico/secundário, pois não gostas, nem tens paciência para ensinar crianças e/ou adolescentes.

I stand corrected. Ficava-me pelos maiores de 20 anos.

2)Tu não estás preparado porque fazes passar uma imagem de menino de coro, que agrada a muito boa gente, mas, a despropósito, contas uma anedota, machista e de cariz sexista.
Não sou moralista, nem falsa moralista, mas detesto esse tipo de postura.

Sim até porque eu sou um machista, sem dúvida! Quanto ao moralista... sou, mas vivo de acordo com aquilo que digo, que me parece, pelo menos, mais coerente que a Deolinda. Não me venha para aqui é acusar de não ser. Mas é livre de pensar isso. Mas estará a pensar errado.

Quanto o menino de coro... está enganada Deolinda, nunca tive voz nem espírito para cantar, nem a solo e muito menos em coro. Corria o risco de estragar a actuação dos outros.

3)Eu disse-te, no Profavaliação, que o Estado deve começar por dar educação sexual aos pais, servindo-se dos canais televisivos que detém.

É uma excelente sugestão... Pena é que ninguém vai ver.

Chamas-me a mim tudo e mais alguma coisa mas esqueceste-te de uma coisa... de fazeres propostas sérias e levem a algum resultado. Como se as pessoas fossem perder tempo a ver um programa de educação sexual quando há futebol, telenovelas e sabe-se lá mais o que para ver... Francamente.

Se eu sou menino de coro, Deolinda, tu deves ser cantora lírica.

"Não é preciso exemplificar que tipo de assuntos poderiam aí ser tratados e que iriam facilitar o trabalho na escola, pois não?
Não vais negar que temos, pela frente, um povo algo embrutecido, pouco informado e impreparado para ouvir os filhos falarem dos assuntos relativos à sexualidade, que lhes foram transmitidos pelos professores?"

Não não nego, mas enquanto eu quero mudar as gerações futuras, e todos que pensam como tu, querem permanecer na obscuridade. Isso não é justificação.

Se alguém é ignorante, não vale a pena ensinar.

É uma boa filosofia. Já agora, essa do facilitar, mas, Deolinda, ainda não percebeste que ensinar não é fácil e não é simples e nunca o será? Se calhar foste tu que se enganou na profissão... Se querias algo fácil devias ter ido para as Novas Oportunidades não?

4)Os professores não são generalistas (ainda)e, no seu contrato, não consta essa função...

Pois... por vontade tua, então ensinavas por módulos. Mais uma vez acho que estás a perder a tua vocação.

5)Eu considero-me, minimamente, apta a tratar do assunto porque já frequentei várias acções de formação e, no meu local de emprego, desde há dois anos que faço parte do "Gabinete para a saúde" e tenciono lá continuar.

E, pelo que percebi, já que não queres ensinar Educação Sexual, deves passar lá o dia a contar moscas não?

Deolinda, que discordes de mim aceito, que me chames moralista, aceito, mas agradecia que não me distorcesses as palavras e truncasses os meus comentários só para aquilo que te interessa.

Já agora, antes moralista que falso pudico.

EU FIZ UMA CARICATURA. É uma distorção da realidade. Agora se não consegues distinguir entre realidade, caricaturas... Então o problema já é teu.

Quanto ao machista, já deves ter feito rir alguns amigos/amigas meus/minhas que por aqui passam. Até a mim me fizeste rir.

Isto de truncar as coisas dá nisto. Quando só se olha para metade e se infere aquilo que não está lá... geralmente dá asneira.

Mas agradeço-te a frontalidade mesmo que tenhas vindo bater à pessoa errada.

Ramiro

Concordas com o quê? Tudo? Também achas que sou menino de coro, machista e sexista? Pensava que já me conhecias melhor.

Joaommp said...

Não tenho acompanhado as discussões anteriores que referiram, pelo que não posso argumentar sobre o que se passou antes. No entanto, parece-me que há algum picanço entre a Deolinda e o Elenáro, pela forma como me parece atacar o Elenáro com alguns comentários sem fundamento.

Concordo com a Deolinda quando diz que a educação sexual deve começar por formar os pais. Estes precisam de saber como lidar com a sexualidade dos filhos e também os melhores métodos para os guiar a uma sexualidade saudável, porque a educação começa sempre em casa.

Também concordo com o Elenáro quando diz que os resultados aí seriam menos do que visíveis, dado que pela sociedade que se criou e pela inércia que temos, se algum dia se viesse a notar diferença e participação, longe iria ser o tempo em que o veríamos.

No entanto, achei um bocado descabida a forma como a Deolinda se dirigiu a Elenáro. Mais parecia que o interesse dela estava, não em discutir construtivamente o artigo, mas em atacar destrutivamente o Elenáro com comentários que me parecem desnecessários e inadequados.

Machista? Sexista? Ó mulher, ele é de esquerda, isso é incompatível!

Moralista? Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra. Quem tem telhados de vidro não atira pedras e parece-me que não faltam telhados de vidro à Deolinda pelo conteúdo do comentário que colocou. Portanto a Deolinda deve gostar de riscos, porque não houve pedra que não tivesse atirado. Se calhar também gosta de paraquedismo e bungee jumping. É saudável.

E por fim, menino do coro? Muito simplesmente "L-O-L". O Elenáro é um gajo muito, mas mesmo muito inconformado e quando tem algo a dizer, se tiver que mandar a casa abaixo, manda. E eu sei, porque discutir com ele, é algo a que já estou habituado.

Conheço o Elenáro há já uma década. Já foi meu colega de estudos, meu colega de trabalho e é meu amigo. Portanto, se ele fosse alguma dessas coisas, eu saberia e seria o primeiro a acusá-lo, ou, mais provavelmente, a fazer piadas parvas às quais ele, com o seu inconformismo, responderia à letra.

Deolinda said...

Desagradando aos sábios conselhos para vos ignorar, (ao Elenáro e ao seu "defensor oficioso"), apetece-me malhar no ferro frio...

Joaommp:
Essa do "picanço", foi na "mouche"...Nem preciso ir muito longe buscar provas. Noutro post abaixo, o Elenáro afirma:

"Depois de ler um post sobre a Educação Sexual nas escolas no ProfAvaliação, fiquei com a sensação de que os verdadeiros problemas do tema e da disciplina estão nos docentes."
Percebeste, agora?

Quanto aos conceitos de machismo, de ser-se de esquerda, de menino de coro, ou outros, não vou discuti-los, pois falta-me tempo e há a questão da teoria e da prática, vulgo "olha para o que digo, não olhes para o que faço".

Telhados de vidro, eu? Claro que tenho e paredes também. Adoro claridade, luz...detesto esconder-me em bunkers...

Elenáro

É claro que não te conheço. Só li, pela rama, algumas coisitas que escreveste, porque, muito honestamente, mal começo, vejo logo a marca do autor e o que dizes não tem a ver com as preocupações que me cercam
neste momento. O tempo gasto em "conversas filosóficas" seria, para mim, muito mais proveitoso, se fosse dedicado à produção de textos que mobilizassem a classe docente. Tu não és professor, portanto não assumes uma verdadeira militância. Não sei se estás interessado em distrair os professores, nem se há quem queira e goste de distrair-se contigo. Eu não.
Mesmo assim, e porque ler é muito difícil, vou continuar ainda:
Afirmas:
"mas enquanto eu quero mudar as gerações futuras, e todos que pensam como tu, querem permanecer na obscuridade."
Eu respondo: Vou mais além, porque quero mudar as gerações futuras e as actuais, que estão na obscuridade.
A TV faria um bom serviço e nem precisaríamos dos marquetistas americanos...
Elenáro, por favor, não digas que a palavra "sexo" não se imporia a muita porcaria que passa nos diversos canais..., mas sobretudo, não te armes em dogmático, Deus ou adivinho, proferindo a seguinte proposição "...ninguém vai ver"!
Leste Descartes e a "dúvida metódica"?

É claro que ao referir o "gabinete", deveria ter explicitado "Educação para a saúde", que engloba vários projectos; há trabalho de gabinete e não só...Tenho de explicitar?

Dizes também:
" pelo que percebi, já que não queres ensinar Educação Sexual..."

Repito, ler é difícil, mas fazer copy-paste não. Só volto a falar contigo quando me mostrares, por escrito ou em gravação, alguma afirmação minha sobre essa minha recusa, ou incapacidade.
Posso, sim, ter falado, solidariamente, de colegas que mostraram alguma reserva.


Finalmente, para o:
"acho que estás a perder a tua vocação." , só me apetece dizer que acho que não mereces que diga nada.
Resto de bom fds

Elenáro said...

Deolinda

Antes de mais digo-lhe isto: desça do seu pedestal em que se põe ou ainda dá um tombo.

Quanto ao que disse respondo assim e apenas assim pois quem já percebeu a sua "marca" sou eu.

Digo-lhe então que, essa militância cega, desprovida de qualquer sentido útil de defesa da educação, seja ela sexual ou não, preocupa-me. Sabe porquê?

Eu explico-lhe. Sócrates conseguiu fazer o que fez na educação pois, desde há anos, essa cegueira que a Deolinda e (infelizmente) outros professores defendem, fechou a classe em si mesma. Fechou-a aos país, à sociedade e, sobretudo, à realidade. O mundo muda e a classe (já que quer por tudo no mesmo saco eu ponho) parou.

Durante anos os professores reagiram com prepotência às criticas que lhes faziam, com ou sem razão. Havia um sentimento (errado ou não) de culpabilização dos professores pelos resultados dos alunos. O "povinho" andava descontente.

Com crise económica em cima e os problemas todos já acumulados foi extremamente fácil arranjar um bode expiatório. Adivinhe quem foi.

Mas o tempo dará razão aos que avisam os professores quanto a militâncias cegas. E poderá dar de duas maneiras. Ou professores percebem a importância de ouvir "os outros" ou chegar-se-á um ponto em que mais uma vez, alguém virá, e fará dos professores novamente os bodes-expiatórios dos problemas.

E apenas lhe digo mais isto, para quem diz que ler é difícil, a Deolinda tem muitas particular dificuldade em faze-lo. Não leu o que lhe disse em relação à "Depois de ler um post sobre a Educação Sexual nas escolas no ProfAvaliação, fiquei com a sensação de que os verdadeiros problemas do tema e da disciplina estão nos docentes" no ProfAvaliação (http://www.profblog.org/2009/09/lembram-se-da-professora-de-historia.html)?

Perdeu uma excelente oportunidade para estar calada quanto a esse ponto. Não acuse com falsidades. Fica-lhe muito mal, como pessoa e como professora (se ainda o é, porque, com tanto trabalho administrativo que diz ter, pouco tempo deve ter para ser professora de facto).

Elenáro said...

Correcção:

Fechou-a ao país; aos pais, à sociedade e, sobretudo, à realidade.

Ou professores percebem a importância de ouvir "os outros" ou chegar-se-á um ponto em que, mais uma vez, alguém virá e fará novamente dos professores os bodes-expiatórios dos problemas.

E apenas lhe digo mais isto, para quem diz que ler é difícil, a Deolinda tem particular dificuldade em fazê-lo.

Deolinda said...

Elenáro,
Nem vou perguntar onde está a prova de que alguma vez eu afirmei "ter tanto trabalho administrativo" (não tenciono processá-lo por isso) e rio-me das suas dúvidas...como me rio do seu papel de "cavalo de tróia", na nossa luta pela dignidade da escola pública e da função docente .


"Amanhã seremos melhores.", como diz um blogger, que muito prezo.

Elenáro said...

"É claro que ao referir o "gabinete", deveria ter explicitado "Educação para a saúde", que engloba vários projectos; há trabalho de gabinete e não só...Tenho de explicitar?"

Lamento se interpretei mal, mas foi o que deu a entender. E já agora, se processar garanto-lhe que receberá o mesmo de volta e olha que eu tenho bem mais insultos de si do que o inverso. Por isso tenha lá calma senão ainda tropeça.

Deolinda, pense o que quiser sobre mim. Não é a primeira com a mania da perseguição e a dizer que eu ando aqui a fazer o trabalho de destruir os professores. Se quer continuar com esses problemas existências e não olhar para a realidade, se lhe é mais fácil viver assim, então faça-o. Mas venha para aqui com insultos e ataques pessoais.

Eu sei que quando não se tem argumentos é difícil falar sem o fazer, mas vá, faça um esforço.

Elenáro said...

Já agora eu também me rio de si sabe. Rio-me do facto de assumir que eu por não ser professor que não estou ligado à educação e não dou aulas também.

Não jogue no euromilhões. Com essa pontaria vai falhar o alvo.

Deolinda said...

Elenáaaaro!
Só uns pequeninos reparos...
Eu não me ri de si, mas de algumas atitudes suas...Dá para ver a diferença?!

E eu só repeti o que me disse sobre o seu estatuto de professor, NUNCA disse que não está ligado à educação...certo?

A sua perspectiva e postura sobre o tema não está em consonância com a maioria dos bloggers, certo?


E sim, tenho a opinião que anda num pedestal, a querer "abrir os olhos" aos professores, como se eles precisassem...
E sim, lancei algumas dúvidas junto dos editores do profavaliação, sobre a sua identidade e papel, no blog, que, com já disse parece, repito, parece (a mim e a várias outras pessoas)querer "dar lições", ou distrair os profes dos seus verdadeiros objectivos.

Quando aludi a tribunais, não foi pelo motivo que apresentou, obviamente. Foi por me ter "colado" afirmações que não foram por mim proferidas.

Tombos... dou muitos...Que bom!

Jogar...Infelizmente, não tenho esse hábito de ajudar a sorte. Está-me nos genes viver do meu trabalho. Mas...nunca se sabe...

E não saio sem o informar que está completamente enganado quanto ao prestígio dos professores, junto da população, em geral. Consulte os rankings :)
Os que nunca souberam "gerir" a educação em Portugal e os que pretenderam amesquinhar os professores estão muito bem identificados...

Bem, já "gastei tanta saliva", logo depois de ter passado a tarde num "chá de panela", com uma centena de mulheres...mas ainda tenho de confirmar que, realmente, "não falamos a mesma linguagem":
se eu não fosse a uma manifestação, nunca apresentaria como motivo o aniversário daí a dois dias...
Elenáro, toda a gente entenderia se dissesse que essa não era a sua luta...

Ena! Tanto comentário!...E tantas coisas mais interessantes para lermos ou escrevermos...

(eu escrevo, aqui, directamente e não releio. Se houver "gatos"...

Elenáro said...

Deolinda, eu não vou por dois motivos.

Um é o meu aniversário de facto. Como não sou, nem estou em Lisboa, recuso-me a perder o dia quando posso estar com amigos e família que me interessam bem mais que qualquer luta seja ela do que for. Como não posso festejar de Domigo para Segunda nem de Segunda para Terça, terei de festejar de Sábado para Domingo. Como nunca misturo amigos e família torna-se incomportável perder o dia.

O segundo, é de ordem mais pessoal, o qual não o revelarei. Implica confiança que não existe nem é possível criar por contactos em blogues. Muito menos com uma pessoa como a Deolinda que diz o que diz.

Poderá desconfiar de mim. Está no seu direito. E eu estou no meu de ter a mesma desconfiança consigo. Ninguém me garante as boas intenções da Deolinda.

Eu até lhe dava referências mas como acho que anda a tentar obter informações às quais não ganhou o direito ainda... não lhe digo mais nada. A Deolinda também já me disse onde trabalha, onde vive, onde estudou? Não pois não? Alguma vez eu lhe perguntei? Então retribua a cortesia e deixe-se de detective. Já dei as informações todas que achava pertinentes em praça pública e sem conhecer o interlocutor desse lado. A mais não sou obrigado.

aurora said...

Filmes Educativos para Educação sexual em www.flaminia.pt

Wegie said...

"E sim, lancei algumas dúvidas junto dos editores do profavaliação, sobre a sua identidade e papel, no blog..."

E sim, lancei algumas dúvidas junto dos editores do profavaliação, sobre a sua identidade e papel, no blog..."

E sim, lancei algumas dúvidas junto dos editores do profavaliação, sobre a sua identidade e papel, no blog..."

Very instructive! As conas de sabão acabam sempre por se revelar!

Elenáro said...

Wegie

Deixa para lá. Não te apoquentes.

Deolinda said...

Olá Wegie!
Ainda bem que te encontro para te dizer que apreciei essa solidariedade machista.
Aproveito para me despedir.
Um abraço aos dois